Boletim Peito Aberto – Nº 59

1. Editorial: Amamentação: Mudando Futuro
2. Conversando sobre amamentação: Bebê chorando irritado
3. Rede de Apoio: Você já faz parte?
4. Lojinha: Muitos produtos para ajudar no dia a dia
5. Especial: Amamentação – Indexando valores?
6. Agenda

1. Editorial

————————————————————————————————————

* * Amamentação – Mudando Futuro

A Amamentação (que cunha um novo paradigma não consumista, de abundância focada em quanto basta a cada momento, de manutenção de vínculos etc., etc.), serve de base para a transformação do mundo em que vivemos.

Crianças não amamentadas também podem perceber estes conceitos, mas não trazem registros corporais da experiência vivida.

Numa época onde se fala de fome e de pobreza em vários cantos do planeta, tanto os que vivem na abastança como os que vivem na penúria necessitam de um novo modo de viver. Uns para viverem menos cumulativamente e outros para deixarem de tentar sobreviver e passarem a viver dignamente. Se acreditarmos que basta termos agora o que necessitamos e que não é preciso acumular e nem desperdiçar, já estaremos caminhando mais próximos ao respeito ecológico e da diversidade. Nem todos precisam das mesmas coisas e nas mesmas proporções para estarem bem. Também estaremos mais respeitosos quanto ao trabalho de cada dia, à pressa e ao desfrute do que produzimos. Com certeza estaremos trabalhando mais ordenadamente e levando em consideração os limites do nosso organismo, usufruindo dos resultados deste trabalho e vivendo o prazer de estar vivo, de conhecer o mundo que nos cerca e suas maravilhas, aproveitar os momentos de amor e da família, desfrutar da arte e desenvolver a própria criatividade… aproveitar a vida plenamente.

A Amamentação é o início desta jornada, renovação de contato, fonte de nutrição.

Apenas mães e bebês são capazes de executar esta prática, mas pais, irmãos, avós e toda a família participa e está comprometida com ela, contaminada pelo afeto gerado e responsáveis pela proteção e apoio deste ato que gera a transformação do Futuro.

————————————————————————————————————

2. Conversando sobre amamentação – Bebê chorão e irritado

————————————————————————————————————

* A experiência com a amamentação do ponto de vista “natural”, deveria ser uma prática bem tranqüila e com sucesso. Acontece que a amamentação não é apenas uma “questão natural”; é também uma questão emocional e cultural. Por isso, como qualquer nova experiência requer muita observação, paciência, e persistência.

Nessa nossa relação com o recém nascido é importante lembrar:

· Que tanto mãe e filho estão se adaptando a essa nova realidade. É um aprendizado para a nova dupla. (Por isso a observação é muito importante, pois ela dá chance a mãe de, no dia a dia, conhecer melhor o seu filho, e poder identificar, a partir daí, o por quê do choro do bebê, o por quê da irritação).

· E aprender que o bebê chora por várias razões: chora porque está com fome, ou porque está com sede, ou porque está com sono, ou porque está sentindo dor, ou até mesmo porque está incomodado pelas tensões dentro de casa. (Uma vez que a mãe identifica a causa do choro ela pode trabalhar melhor essa problemática).

· Que é preciso apoio – ela precisa ter paciência e, sobretudo, apoio.

· Que toda mãe tem leite em quantidade e qualidade suficiente para o seu filho, e que cada criança tem características e ritmos específicos. (Por isso não se impressione por quanto tempo o seu bebê mama. O importante é que ele mame leite, não minutos ou hora).

Às vezes atribuímos o choro do bebê à alimentação da mãe, por isto, quanto à alimentação da mãe, deve prevalecer sempre o bom senso. Sabemos que uma alimentação saudável, equilibrada, e natural é boa para qualquer pessoa. Devemos sim, ter cuidados com os excessos! Para sua tranqüilidade, saiba que até mesmo mães subnutridas podem amamentar seus filhos. E podemos evitar o uso de muito leite, álcool, e substância excitantes.

————————————————————————————————————

3. Rede de Apoio: Você já faz parte?

————————————————————————————————————

* Para quem ainda não participou da nossa Rede de Apoio e gostaria de ajudar, as Amigas do Peito recebem doações de qualquer valor no Banco Bradesco, agência 3019-8, conta corrente 44109-0 e no Banco Itaú , agência 3820, conta-corrente 13109-6. Lembramos que a continuidade do trabalho das Amigas do Peito depende e muito dessas contribuições, especialmente para que despesas da sede sejam pagas. Caso queira colaborar de outra forma, entre em contato com a nossa sede, através do telefone (21) 2285-7779.
———————————————————————————————————–

4. Lojinha – Muitos produtos para ajudar no dia a dia

———————————————————————————————————–
* A lojinha está com diversos produtos para você, seu filhote ou para presentear alguém especial. O destaque deste mês, aqui no Boletim Peito Aberto são:

Os bichinhos que amamentam e podem ser presentes do dia da criança!
———————————————————————————————————–

5. Especial: Amamentação – Indexando valores?

———————————————————————————————————–

* Considerando que o valor da amamentação não está indexado a produto de “consumo” e que, portanto, fica difícil quantificar e mesmo valorizar esta prática, como fica a prática da amamentação?

Em nosso meio capitalista em que o mercado é que promove a necessidade e onde o comércio deixa de ser um relação entre pessoas e passa ser visto como uma colocação de produtos e um criar de necessidades, onde se transforma o acúmulo em regra, e abundância e abastança são sentidas como ter muito e mais e não ter o que me basta… como dar valor a um ato que está totalmente baseado em troca, em relação, em aqui e agora prover o quanto é necessário?

A Amamentação parece ser o contra-senso de tudo o que valorizamos e desejamos, parece ser o contrário do apregoado pelo “impulso de economizar para ter no futuro”, amealhar, estocar e usar mais adiante …

Amamentação – seu valor não está indexado a produto de “consumo” e portanto fica difícil quantificar e mesmo valorizar esta prática, fica difícil não pensar em quantificar cada mamada, não se sentir inquieta/o por não saber quantos mililitros um bebê mamou em cada peito. Infelizes criaturas somos os humanos que não temos peitos transparentes nem barrigas com “traços” que dão a referência dos mililitros ingeridos!.

Buscando justificativa de não haver apoio financeiro a muitas das iniciativas que envolvem apoio e promoção da amamentação, nos deparamos com a realidade de que se formos trabalhar com a substância Leite Materno, a linguagem é mais concreta e imediata, a possibilidade de quantificar é concreta (ou líquida!) e que isto é capaz de trazer um entendimento às pessoas que buscamos para apoiar projetos.

Como exercício de imaginação:

Que as mulheres que ajudamos nestes 27 anos de trabalho voluntário, (cerca de 180 mil ), tenham amamentado por apenas 100 dias, que os bebês tenham mamado apenas 30 ml por mamadas em 8 mamadas por dia teremos:

100 x 8 x 30 x 180 000= 4 320 000 000 mililitros = 4 320 mil litros de leite humano ….

Isto faz tremenda diferença se pensarmos em consumo de leite industrializado. E representa uma enorme perda na indústria leiteira. E este pequeno serviço duradouro, de poucas mulheres que apóiam outras mulheres na amamentação não é considerado responsabilidade de todos, compromisso social das pessoas, nem de empresas governamentais ou não na maioria dos casos.

Se levarmos estes cálculos para o número de brasileiras que amamenta e de quantas mais poderiam amamentar… aí sim que vamos entender a pressão exercida pelos empresários e representantes desta indústria no Congresso Nacional tentando que o marketing sempre muito ético seja permitido para influenciar as vendas e os lucros do setor. Cabe a cada cidadão refletir sobre seus valores, seus compromissos de vida e com a vida e com a sobrevivência de seus filhos e netos em relação à melhor qualidade de vida deles e do planeta.

———————————————————————————————————-

Disque-Amamentação: (21) 2285-7779
Visite nossa página atualizada! www.amigasdopeito.org.br

Sede das Amigas do Peito
Tels.: (21) 2285-7779 – Fax: (21) 2205-7640
Rua do Catete, 214/612 – Rio de Janeiro, RJ – 22220-001
Horário de funcionamento: das 9h às 17h
Emergências: ligue (21) 2508-1001 ou 4001-7722, código TELETRIM: 215 89 75

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: