Archive for the ‘artigos’ Category

Homenagem a Bibi Vogel

24 \24e novembro, 2008

[gallery]  VOL 16 NO 2 2008 BREASTFEEDING REVIEW

The power of obstinacy

Elisabet Helsing Dr Med Sci

Keynote Address delivered at State of the Art of Mother Support Summit 

(WABA/LLLI), 18–19 July 2007, Chicago.

Dedicated to Bìbi Vogel, Brazil and Argentina, founder of Amigas do Peito, † 3 April 2004.

Breastfeeding Review 2008; 16 (2): 5–7

Introduction

Rather than expounding on the ‘power of breastfeeding’, the theme of La Leche League International’s 50th anniversary, I am going to act as the ‘Devil’s advocate’. I will instead argue that as a basic function, breastfeeding is surprisingly weak,  and will remain so unless, and until, we women consciously and determinedly turn it into a force for supportive action and solidarity between ourselves, between women. I will also argue that this is more than a distant dream … it can be done and it has been done. 

So, why do I describe breastfeeding as weak? As a natural act, breastfeeding is dependent on reflexes, both on the part of the mother and on the baby. Baby has relatively little trouble with its breastfeeding reflexes. Mother has more problems. Her reflexes are susceptible to negative, as well as positive, psychological stimuli. Take the reflex that is most central to breastfeeding, the ejection reflex; without it the baby will get very little of the milk that is actually present in the breast. The frailty of breastfeeding is partially due to misunderstanding and misinformation about the inherent ejection, or letdown reflex.

In fact, the baby does not suck the milk out, but is dependent upon the push of the letdown reflex to obtain the milk. But the letdown reflex itself is dependent on psychological stimuli. Therefore, breastfeeding may be easier for those mothers who have a psychology with a certain stubborn streak in their nature, for those who are not so easily discouraged, for the obstinate. When I breastfed a century ago, misunderstandings and misinformation were found everywhere in my country, Norway. Doubt was expressed about everything from frequency of feeding (Do you really think she is hungry so soon?) to the quality of the milk (Are you sure your milk is good enough, since she is hungry again so soon?). Humans are the only species with the ability to make verbal statements about psychological problems in the form of messages. 

The main and most destructive message when it comes to lactation conveys precisely this: doubt. Doubt about our own ability to perform. I am reminded of a Jelliffism, after the famous couple Derrick and Patrice Jelliffe (1978) who stated that ‘breastfeeding is a confidence trick’. Confidence is the antidote to doubt.

A mother’s doubt about her ability to breastfeed may become a self-fulfilling prophecy. This doubt, in combination with poor or misleading advice, was central to the large-scale experiment that was initiated globally around 1900, when the milking machine, invented in 1895, made large-scale milk production possible. Then the milk destined for a small ruminant, the calf, was suddenly thought to be preferable as a basis for human baby food.

In the US, the breastfeeding rates sank faster than anywhere else: in 1911 58% of mothers were still breastfeeding their 12-month-old babies (Woodbury 1925). Yes, almost two thirds of US mothers were breastfeeding their one-year-old child in 1911. Fifty four years later, in 1965, 27% of the mothers were feeding at one week of age (Lawrence 1994). Yes, under one third of US mothers were even trying to feed their babies at the breast in 1965. Today, I believe, the percentage has increased to approximately 50%, that is, only half of the mothers have the courage to put the baby to the breast.

BREASTFEEDING REVIEW VOL 16 NO 2 2008

An unfortunate alliance between the producers of substitutes for human milk and special products for baby feeding, and the health sector in general has to take part of the blame. The health sector, quite certain of their independence from the industry and their innate ability to give correct advice, became part of a global misinformation campaign. In my home country, Norway, where we took part in this folly, statements made by the medical profession would typically read: 

The infant should receive its meals at fixed and regular intervals and these should not be too short (Meyer 1899); The more strictly one adheres to the proper feeding times, the calmer and healthier the child will be (Brinchmann 1943). 

And this: Once the doctor has set the times of the feeds and determined how much milk the baby needs, you must adhere strictly to his instructions and neither allow extra feeds nor alter the prescribed timing (Dahl 1964).

This philosophy was repeated on a global scale, in one country after the other, as a battle against the babies and their inborn reflexes developed. It is perhaps not so surprising that a study undertaken by the World Health Organization (WHO) (1981), in nine countries around the world during the late 1970’s, consistently found that the more frequently mothers got in touch with the health care system, the less they breastfed. 

This finding was however buried on page 149 of the published report and it was never acted upon. It did not even ring a bell when another WHO study of nine countries, this time in Latin America one decade later, found exactly the same: the larger the percentage of births that were guided by health workers, the less mothers breastfed (Pérez-Escamilla 1993). 

The physician’s fascination with the ‘modern’ way of feeding is perhaps understandable. It was the age of inventions; natural science had led to discoveries that were truly bordering on the miraculous. The power of steam had been harnessed and used, opening large tracts of land to new groups of people, and later, electricity had been invented, which turned day and night around and enabled active usage of more of the 24 hours of the day. The telegraph, the automobile and the aeroplane were allowing individual communication on an unprecedented scale. 

And in medicine, miracles abounded too. Semmelweiss found the solution to the feared obstetric fever or puerperal fever, which killed so many mothers when they were giving birth. Pasteur substituted fanciful explanations of the communication of illnesses with science that could be acted upon. Vaccines and antibiotics became part of the armoury of the physicians. So who can blame the health sector for not drawing a line, but carrying their enthusiasm for all things man-made and medical over to the feeding of the very young? Why should calves’ food not be better for little humans, especially as it had been modified according to the latest science?

An American physician spoke of the entire development toward artificial feeding as comprising ‘not only a great scientific achievement in itself’. It also provided, as he put it, ‘the means of changing the whole trend of professional thought upon the subject and of establishing this science of infant feeding upon an exact and rational basis’ (Cumming 1858).

It may be tempting to condemn the medical profession for their behaviour. However, we should try to see their situation in light of the times as they were. 

Let us go fast forward to Scandinavia of today. I have often been asked why breastfeeding has returned to the degree that it has, in the Scandinavian countries (see Figure 1). It would probably be wrong to classify half of the Scandinavian population as particularly stubborn and obstinate. Maybe it is possible instead to turn my argument on its head … 

Much of the success story is accounted for by the (relative) absence of obstinacy on the part of the health care system, once the mothers started to protest the hundred-year experiment upon their babies by insisting to feed them their own milk. Politicians and health administrators in Scandinavia began to take breastfeeding seriously as a subject. Health workers with experience as mothers also played an important role. Gradually, the understanding emerged that breastfeeding is not just something that women automatically do when left to their own devices. Breastfeeding is a serious political subject, and taking it seriously costs money. Maternity benefits that extend to 12 months after the birth of the baby, reimbursed by the state so as not to act as a deterrent to employment of women, is going to cost the state money – big money. Likewise, the implementation of the Mother-Baby-Friendly hospital, and the creation of a scientifically sound basis for training of health workers, does not happen without state intervention. Female politicians and administrators are usually helpful, especially after they have nursed in Parliament. I do not for a moment imply that all is well in the states of Scandinavia. But we are on our way. And when large-scale political interventions happen, many happy mother-and-child couples are left in their wake. Breastfeeding is no longer just for the obstinate.

REFERENCES

Brinchmann A 1943, Barnets første år. (Baby’s First Year). 5th edn. Gyldendal Norsk Forlag, Oslo.
Cumming WH 1858, On a substitute for human milk. Am Med Monthly 9: 193–199.
Dahl A 1964, Jeg er blitt mor. En håndbook til hjelp ved barnestell. (I Have Become a Mother. A Manual of Management). Det lille universitet, Fredhøis forlag A/S, Oslo (orig. Mondadori Western Publishing, Verona).
Jelliffe DB, Jelliffe EFP 1978, Human Milk in the Modern World. Oxford University Press, Oxford.
Lawrence RA 1994, Breastfeeding. A Guide for the Medical Profesion. 4th edn. Mosby, St Louis.
Liestøl K, Rosenberg M, Walløe L 1988, Breast-feeding practice in Norway 1860-1984. J Biosoc Sci 20: 45.58. 
Meyer L 1899, Den første barnepleje. Populært fremstillet. (Nursing Your Baby). 3rd edn. Det Nordiske Forlag, København. 
Perez-Escamilla R 1993, Breastfeeding patterns in nine Latin American and Caribbean countries. Bulletin of PAHO 27(1): 23–42.
Rosenberg M 1991, On the Relation Between Living Conditions and Variables Linked to Reproduction in Norway 1860-1984 [doktoravhandling]. University of Oslo, Oslo.
Woodbury RM 1925, Causal Factors in Infant Mortality. Children’s Bureau Publication No. 142. US Government Printing Office, Washington.
World Health Organization 1981, WHO Contemporary Patterns of Breastfeeding. Report on the WHO Collaborative Study on Breastfeeding. WHO, Geneva.

ABOUT THE AUTHOR:

Elisabet Helsing is a nutrition physiologist who has previously worked for WHO Regional Office for Europe (1984–96). She started the ‘back to breastfeeding’ movement in Norway when she wrote a pamphlet about breastfeeding in 1968. In this same year, she founded the breastfeeding mothers’ association Ammehjelpen, which celebrates its 40th anniversary this year. Elisabet has since written extensively about breastfeeding and her latest book Understanding Breastfeeding is currently being translated into English.

Correspondence to: Dr Elisabet Helsing 
Trosterudveien 19  N-0778 Oslo  Norway
Email: ehel@online.no
© Australian Breastfeeding Association 2008

Pesquisa Aleitamento Materno

24 \24e novembro, 2008

 

ALEITAMENTO MATERNO

 Garantir a amamentação de crianças como alimento exclusivo até os seis meses de vida ainda é um desafio no Brasil. Apesar de 96,4% de todas as mães afirmarem que as crianças foram ao menos uma vez amamentadas, a exclusividade desse alimento em bebês com até seis meses de vida alcança 40% das crianças. 

 O aleitamento materno traz enormes benefícios nutricionais à criança, pois contém todos os nutrientes necessários nos primeiros meses de vida. Às mulheres, reduz as chances de desenvolver câncer de mama, diabetes e anemia pela diminuição do sangramento pós-parto.

 O aleitamento deve ocorrer na primeira hora após o nascimento. O primeiro leite é o colostro, rico em anticorpos. Estatísticas apontam que cerca de sete mil mortes de bebês até o primeiro ano de vida no Brasil poderiam ser evitadas com a amamentação na primeira hora após o parto. Em 1996, apenas 33% crianças recém-nascidas foram amamentadas nesse momento. Em 2006, o número sobe para 43%. Já o aleitamento nas primeiras 24 horas após o parto alcançou praticamente a totalidade de crianças em 2006 (99,5%), contra os 70,8% apurados dez anos antes. 
 A média, em meses, de duração da amamentação associada a outros alimentos, para crianças com até três anos de idade, aumentou de 7 meses em 1996 para 9,3 meses em
2006. A duração da alimentação exclusiva com leite materno subiu de 1 mês para 2,2 meses.

O Ministério da Saúde recomenda o aleitamento materno como alimento exclusivo até os primeiros seis meses de vida e complementado com outros alimentos até os dois anos de vida ou mais. 
 A PNDS-2006 também apurou a introdução de alimentos em idades não oportunasNo quarto e no quinto mês de vida, 41,7% dessas crianças tinham leite não materno em sua dieta e 31,6% delas já se alimentavam de mingaus. Nessa faixa, 22% das crianças já consumiam comida de sal.

Autor: Ministério da Saúde

Publicado  no www.aleitamento.com em 8/7/2008

Depressão materna – O Estado de São Paulo

24 \24e novembro, 2008

Domingo, 23 de Novembro de 2008 | Versão Impressa

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20081123/not_imp282105,0.php

Depressão atinge até 35% das mães
Pesquisa do Instituto de Psicologia da USP encontrou incidência do 
transtorno três vezes mais alta em São Paulo
Simone Iwasso

Um outro lado da maternidade, distante do mundo cor-de-rosa dos 
filmes, dos sonhos adolescentes e dos comerciais de televisão, tem 
aparecido com maior freqüência na vida de mães e bebês paulistanos, 
segundo pesquisa do Instituto de Psicologia da Universidade de São 
Paulo (USP). Ao acompanhar as consultas de pré-natal, o parto e os 
retornos de mulheres atendidas em hospitais públicos da cidade, 
aplicando um questionário padrão e uma avaliação, o trabalho 
encontrou uma incidência de depressão pós-parto em 32% a 35% delas – 
um número três vezes mais alto do que o identificado na literatura 
médica internacional, que varia de 10% a 15%.

São mulheres que, em vez dos sorrisos constantes pela felicidade de 
ter um bebê em casa, como elas e as famílias provavelmente esperavam, 
se deparam com crises de choro, irritação permanente, dificuldades 
para dormir e comer, sensação de desamparo e tristeza e falta de 
apetite sexual – nos casos mais graves, podem ocorrer tentativas de 
suicídio e atos de violência contra a criança. Além disso, sentem 
raiva do bebê, o culpam por sua situação e, muitas vezes, acabam 
sendo negligentes em relação aos cuidados de que a criança necessita, 
tratando-a como um fardo. Esse conjunto de sintomas pode aparecer nos 
primeiros dias após o parto e, se não for cuidado, persistir por até 
um ano.

E não são só as mulheres que sofrem com essa situação. Uma série de 
pesquisas indica que essa falta de contato com a mãe nas primeiras 
semanas traz conseqüências para o desenvolvimento físico e neuromotor 
da criança, persistindo nos anos seguintes: interagem menos com 
adultos, estabelecem menos relações afetivas e têm níveis mais altos 
de hormônios relacionados ao stress no organismo. Fazer um mapeamento 
detalhado desses efeitos e o que eles acarretam na relação entre mãe 
e filho é um dos objetivos da pesquisa da USP, financiada pela Fapesp 
e pelo CNPq. O trabalho começou no ano passado e deve se estender 
pelos próximos dois anos.

“O índice de depressão pós-parto que encontramos nas mulheres 
atendidas foi realmente alto, três vezes maior do que o descrito na 
literatura médica, e por isso partimos para análise dos fatores que 
poderiam influenciar no comportamento dessas mulheres”, explica a 
pediatra Maria Teresa Zulini da Costa, pós-doutoranda na USP e uma 
das pesquisadoras do projeto, coordenado pelas psicólogas Emma Otta e 
Vera Silvia Raad Bussab. “Encontramos, entre mulheres com depressão 
pós-parto, um número alto de gestações não programadas e não 
desejadas, falta de estrutura doméstica, ausência do pai da criança. 
São mães que acabam tendo de arcar sozinhas com a maternidade”, diz.

Outro fator que evidencia a influência do aspecto socioeconômico na 
depressão pós-parto é o fato de, em um grupo de mulheres atendidas 
pela pesquisa em hospitais privados de São Paulo, a incidência do 
transtorno não ultrapassar os 7%. Ressalve-se que, ainda assim, é uma 
taxa significativa que mostra que a condição econômica e de infra- 
estrutura não explica, sozinha, o transtorno.

CULPA

O alto índice de depressão pós-parto em mulheres de renda mais baixa 
também foi constatado em um estudo com um universo menor de mulheres, 
feito na Universidade Federal da Paraíba pelas pesquisadoras Evelyn 
de Albuquerque Saraiva e Maria da Penha Coutinho. Ao acompanhar 84 
mães usuárias de um serviço público de saúde, perceberam que cerca de 
30% delas apresentavam o conjunto de sintomas.

“Apesar da alta incidência e também das múltiplas características 
desse transtorno depressivo, o seu reconhecimento contraria a 
sabedoria popular. O senso comum em relação ao período da maternidade 
aponta para uma crença de que essa vivência proporciona sentimentos 
agradáveis e prazerosos para todas as mulheres”, afirma Maria da 
Penha. Ou seja, imersas numa cultura em que ser mãe é a realização 
máxima da mulher, é muito difícil para as novas mães assumirem que 
não estão bem e nem se sentem tão felizes como a sociedade espera que 
elas se sintam.

“É complicado uma mãe assumir que tem sentimentos agressivos em 
relação ao filho, porque toda a sociedade espera um comportamento 
diferente. Mas é isso que acontece nesse período. Por isso a 
importância do acompanhamento médico e psicológico”, explica o médico 
David Pares, responsável pelo setor de medicina fetal do Laboratório 
Fleury. “Quando os sintomas e os sentimentos negativos não 
desaparecem em uma ou duas semanas, tempo em que é normal que eles 
existam, é preciso a intervenção do psiquiatra e do terapeuta”, 
explica ele, que reforça a necessidade de apoio por parte da família 
e do pai da criança.

Atualmente, os médicos receitam antidepressivos para mulheres que 
amamentam – a substância é transmitida pelo leite para o bebê, mas 
segundo os médicos seus efeitos não são nocivos para a criança.

A administradora de empresas Helena Corsário, de 29 anos, tomou por 
mais de um ano um desses remédios. “Eu amamentava chorando”, diz. “E 
achava que era assim mesmo, que ficaria infeliz. Me sentia muito 
culpada porque não tinha vontade de cuidar dela, nem de amamentar, 
nem de dar banho”, afirma ela, que não tinha babá nem família por 
perto. Ela conta que passou quatro meses nessa situação, alternando 
estados de humor, até que um dia uma amiga, ao visitá-la, percebeu 
que alguma coisa estava errada. “Ela viu que eu não estava nem 
lavando o meu cabelo, estava muito ruim mesmo. E daí marcou a 
consulta e eu fui.” Seis meses já se passaram e ela conta que está 
melhorando. “Mas ainda hoje é difícil admitir que ter um filho me 
deixou deprimida”, conta. “Você acha que ser mãe é tudo maravilhoso, 
tudo lindo, mas não é assim.”

No caso da estudante Alessandra Aguiar Silva, de 22 anos, foi o 
namorado quem percebeu o problema. “Ele disse que um dia chegou em 
casa e me viu quase batendo no nosso filho. Ele fala que eu estava 
com raiva, tirando a roupa dele com força.” Ela conta que no começo o 
namorado brigou com ela, a família não entendeu. “Eu não me lembro 
direito, faz um ano, mas parece mais, parece muito longe agora. Na 
época, parecia que queria mesmo que ele não tivesse nascido”, diz.

“Hoje, meu namorado não está mais comigo e minha mãe me ajuda. E sei 
que meu filho é a melhor coisa da minha vida. “

Amigas do Peito – Quem Somos, Nossa Identidade, Nosso Nome

30 \30e junho, 2008

O grupo de mães Amigas do Peito foi formado em 1980. Na época, praticamente não existiam grupos de apoio à amamentação e essa expressão “amigos/as do peito” significava apenas uma grande amizade. Só havia no Brasil poucos profissionais que defendiam a amamentação e um grupo iniciante no nordeste chamado La Leche League, parte de uma organização internacional com uma estrutura própria. Nos anos 1980, estivemos presentes nos esforços em aumentar a licença maternidade e defender o alojamento conjunto; na luta pela licença paternidade; nas ações junto com o antigo INAN/MS como integrantes do Comitê de Comunidade; em parceria com a IBFAN nas primeiras  comemorações de conquistas de leis de defesa do consumidor mais vulnerável; com a WABA nas campanhas da Semana Mundial de Amamentação e em muitas outras conquistas que favorecem a amamentação.

 

Quando o IFF, como o Centro de Lactação, iniciou a sua nova forma de captação de doadoras, nós, Amigas do Peito, estivemos presentes nas salas de acolhimento das mães, para conversar, acolher, ajudar com orientações de ordenha e apoiar. Quem desejar conhecer todas estas participações e formas de atuação, nossos arquivos estão disponíveis, além das informações já incluídas em nossa página na Internet (www.amigasdopeito.org.br).

Como mães entendemos que na brincadeira muito se pode educar. Foi assim que iniciamos outras atividades como as bonecas que amamentam e seus parceiros, o AmamentArte, os bichinhos, os livros, as músicas, as exposições de humor e de fotografias. Nos propusemos a desenvolver uma forma de promover a formação do conceito de amamentação desde a mais tenra infância, com base na prática, na experiência. Com alegria, informamos que um manual sobre o uso do material lúdico / educativo na amamentação foi lançado no ENAM 2008. É uma opção nossa não dar nome às bonecas nem colocar palavras nos livros de pano permitindo que a criança se aproprie do brinquedo e  escolha o nome e como contar a sua história.

Quem já teve oportunidade de nos conhecer, sabe que não somos banco de leite, nem fazemos coleta/atendimento a domicílio, nem nos identificamos como profissionais de saúde. Orientamos e apoiamos as mães e as famílias na prática da amamentação através de reuniões de grupo, de atendimento telefônico, por cartas e por internet (página e e-mail). Calculamos que mais de 800 mil pessoas já passaram pelos nossos projetos.

Trabalhamos continuamente por produzir espaços de trocas de experiências e informação criativa, pública e gratuita a todos que nos procuram. Somos uma referência nas cartilhas distribuídas  nas maternidades do Rio de Janeiro, estamos na lista telefônica e somos indicadas a qualquer pessoa que ligue para o serviço 102 no Rio. Nossas atividades são todas baseadas em trabalho
voluntário de mães que amamentam/ram e freqüentam pelo menos um ano os nossos grupos de apoio e as reuniões em nossa sede.

Temos inúmeros exemplos de como o uso de nosso nome gera transtornos de ordem moral e material no nosso cotidiano. Isso ocorre quando nos ligam a cobrar pedindo buscas de leite em casa, quando reclamam de um serviço prestado e freqüentemente cobrado por terceiros legitimado pelo uso do nosso nome, quando simplesmente relacionam nosso nome a ações que ferem nossa filosofia e, em vários casos, ações associadas a patrocínios e apoios de entidades que ferem os princípios de nosso estatuto como organização. Mesmo em nossa própria trajetória, tivemos experiências com outros grupos fora do Rio de Janeiro (Porto Alegre, Brasília, entre outros) que nos comprovaram a dificuldade de manter uma identidade.

Continuamos recebendo pedidos de abertura de grupos com o nosso nome, o que muito nos orgulha. No entanto, quando gentilmente recusamos essas ofertas, o fazemos com base na experiência das dificuldades de manter a mesma forma de trabalho sem termos uma infraestrutura que permita este crescimento. Por tudo isso, nossa opção tem sido a de incentivar, promover e apoiar a criação de outros grupos de mães e ações pró-amamentação com características e nomes próprios.

Não nos achamos melhores do que ninguém. Acreditamos que há espaço para muitas outras formas de trabalhar com a amamentação, igualmente necessárias e válidas. Mas somos e queremos continuar sendo um grupo de mães que compartilha sua experiência e seu conhecimento adquirido sobre a prática da amamentação, com identidade e nome próprio.

Nossa história de quase 28  anos de luta e trabalho a favor da amamentação comprova nosso companheirismo, nossa participação em vários projetos e ações que não são de nossa autoria.  Em nossa página (Seção Nossa História) há uma extensa lista de nomes de pessoas e organizações a quem também agradecemos pelo apoio e ajuda que nos deram ao longo de nossa existência. Somos solidárias a todos que trabalham pela amamentação, mas lutamos para manter nossa identidade como grupo de mães, que acredita na troca e ajuda mútuas, com apoio e busca de prazer e autonomia de famílias, mães, pais e bebês no processo da amamentação.

Acreditamos que essa busca pela solidariedade, satisfação e autonomia na amamentação se reflete em toda a vida dos envolvidos. É um aprendizado contínuo, que não se resume à amamentação.

Em nome de todas as mulheres, mães, pais, bebês, famílias e à memória daquelas que ajudaram a construir a trajetória desse grupo de mães, recebam nosso abraço,

Grupo de Mães Amigas do Peito
www.amigasdopeito.org.br

 

Artigo 4 – Pressões: como superá-las?

1 \01e setembro, 2005

por Rosimar Teykal
Rosimar, ou Rose, como nós a chamamos, é mãe de duas filhas e fundadora das Amigas do Peito. Coordena o Grupo da Tijuca, atende o Disque-Amamentação, representa as Amigas em eventos e congressos, além de fazer muitas coisas mais!

Há vários obstáculos em nossa relação diária com nossos bebês, e um dos mais graves são as pressões que recebemos de todos os lados: de nossos familiares, dos amigos e também dos profissionais de saúde.

Elas começam de maneira sutil: “o neném está chorando muito, e engordou muito pouco”; “acho que seu leite não deve estar sustentando-o”; ou ainda: “você é muito nova, nunca teve filho antes, por isso não entende como cuidar do bebê”; “está vendo como ele não quer pegar seu peito?”; e mais: “olhe, faça o seguinte: dê primeiro o peito, mas depois você complementa com a mamadeira, porque você não tem muito leite, não é?”.

leia mais »

Depoimento 9 – Minha história nas Amigas do Peito

1 \01e agosto, 2005

Há quase dois anos a Sofia nasceu, num parto intenso em que nós duas trabalhamos muito. E assim que nos vimos como duas, ela escalou até o peito e ali se instalou por um momento na nossa primeira experiência de amamentação.

Eu não tinha me colocado questões sobre isso – assim como o parto , mamar seria natural. Mas foi um difícil começo. Febres , feridas , choros . Tive a sorte de ter ao meu lado desde o comecinho, a Amiga do Peito Claudia Orthof, tia da Sofia. Ela me acompanhou e me encorajou nos primeiros tempos em que tudo é tão duro: cansaço, inexperiência , insegurança , solidão .

leia mais »

Depoimento 8 – Minha história nas Amigas do Peito

1 \01e julho, 2005

Um dia, fui à consulta do pediatra com meu filho Bernardo…. Enquanto aguardava na sala de espera, peguei uma revista Cláudia. Folheando, achei um artigo sobre as Amigas do Peito e uma caixa postal. Achei que eram mulheres muito interessantes e escrevi. Claudia Orthof respondeu falando dos grupos de apoio e fui conhecer o Grupo da Tijuca.

leia mais »

Depoimento 7 – Paternidade e amamentação

6 \06e fevereiro, 2005

Em 2004 fui convidado pelas Amigas do Peito para falar sobre “Paternidade e amamentação” em um evento. Fiquei surpreso com a quantidade de perguntas ou piadinhas que ouvi de conhecidos antes de falar – como “o que os homens têm a ver com isso?” ou “você vai contar como amamentou?”. Surpresas e gracinhas à parte, essas perguntas podem nos ajudar a refletir sobre a participação do homem na amamentação do filho.

leia mais »

Depoimento 6 – Depoimento sobre ser mãe “cedo” (aos 19 anos).

16 \16e dezembro, 2004

Oi Amigas do Peito,

Meu nome é Rafaela Bisacchi e gostaria de dar o meu depoimento sobre ser mãe ”cedo”. Obrigada.

Engravidei aos 19 anos, uma idade propícia hormonalmente, mas, que para a nossa sociedade é considerada um pouco precoce. Ao descobrir que estava grávida, mil coisas passaram pela minha cabeça. Algumas pessoas me colocavam medo, me diziam que seria o fim da minha vida, outras me encorajavam. Pensei muito e me decidi por receber o lindo bebê, o qual gerava dentro do meu útero e que eu sentia como parte integrante do meu ser, da minha vida.

Acredito que para qualquer dificuldade, financeira, familiar ou etária tem-se uma solução na hora da chegada de um serzinho. A questão principal e decisória em se ter um filho é o amor e a dedicação que a mãe está disposta a dar. Caso ela sinta que não há a possibilidade de se dedicar com afeto, atenção, carinho e muito amor é melhor optar por não ser mãe naquele momento.

leia mais »

Depoimento 5 – Volta ao trabalho e agradecimento carinho às Amigas do Peito!

12 \12e novembro, 2004

Às Amigas do Peito,

Gostaria de agradecer imensamente a atenção recebida de vocês. Sou mãe de um bebê de 3 meses e procurei a ONG pela Internet para obter informações a respeito de armazenamento de leite. Volto a trabalhar em breve e gostaria de continuar a oferecer o leito materno para meu bebê.

Ao telefonar, fui atendida pela Verônica que, com muito carinho, me orientou a participar de uma reunião, além de me cadastrar para receber informações pelo telefone. No mesmo dia a Zilda me telefonou e esclareceu muitas dúvidas que eu tinha. Fui a uma reunião (Tijuca) e adorei! A Rose é extremamente atenciosa e bem orientada para organizar o grupo.

leia mais »